Reportagem

Building the Future: a transformação digital passa também por uma mudança cultural

A terceira edição do Building The Future realizou-se, como tem acontecido com a maioria dos eventos, em formato digital. ‘Transformação digital’ foi a expressão mais ouvida durante os três dias desta conferência que também abordou temas como a cloud, os dados, a segurança, a sustentabilidade e a educação.

A conferência da Microsoft, que contou com a presença de 21 mil participantes, teve como orador inicial André de Aragão Azevedo, secretário de Estado para a transição digital. O responsável falou da importância da educação digital e do avanço que a pandemia trouxe à digitalização das empresas, em especial das PME, em que «90% considera ter dado início ao processo de transformação».

Além disso, o governante disse que do ano passado para este houve um salto de 40 para 60% de PME com presença na Internet, mas que apenas 20% estão presentes em plataforma de e-commerce e só 27% usam dashboards de analítica avançada. O secretário de Estado reconheceu que há desafios e que a digitalização «tem de estar muito mais focada naquilo que é a efectiva transformação do modelo de negócio do core da empresa e menos em aspectos de carácter embrionário ou administrativo». André de Aragão Azevedo destacou quatro medidas tomadas pelo Governo para acelerar a transformação do País: a criação de digital innovation hubs; as zonas livres tecnológicas «para ajudar as empresas de áreas particularmente reguladas a testarem, experimentarem e inovarem mais»; uma nova framework de cloud «que permita às empresas e, em particular, à administração pública implementar soluções assentes na nuvem» e por último o lançamento do selo de maturidade digital, «enquanto ferramenta de apoio às empresas na sua certificação em diversas dimensões do digital, como a privacidade, cibersegurança, usabilidade e sustentabilidade».

No final, André de Aragão Azevedo explicou que a transição digital é «muito mais sobre as pessoas que sobre tecnologia» e deixou o desejo de o País, tal como na altura dos Descobrimentos, estar no centro da globalização: «Portugal tem novamente a oportunidade de se tornar um actor principal».

Dados são fundamentais
Julia White, corporate vice-president da Microsoft, abordou a importância dos dados na transformação digital: «Se há uma coisa que 2020 nos ensinou é que os dados são verdadeiramente um activo estratégico para as empresas. Nestes tempos imprevisíveis, que requerem um novo nível de agilidade para lidar com mudanças repentinas, as organizações que tinham os seus dados como um activo estratégico saíram-se melhor».

A responsável salientou que estas organizações «estabeleceram a cultura e as capacidades necessárias para serem mais ágeis, capazes de prever perturbações e mudarem conforme necessário para melhor servir os seus clientes». Por outro lado, Julia White disse que as empresas têm de ter, além das pessoas, dos processos e das capacidades certas, uma «gestão e ligação dos dados coesa», que crie um «circuito de alimentação digital dentro da organização que forneça as bases para uma transformação digital bem-sucedida».

Só depois disso é que se consegue «aproveitar um fluxo constante de dados e aplicar IA para extrair valor». A responsável citou um estudo da Harvard Business Review que descobriu que as organizações que usam correctamente os dados, e que têm uma cultura associada aos mesmos para impulsionar o digital, «conseguem um crescimento de 54% nas receitas e uma melhoria de 62% na satisfação do cliente» em relação às concorrentes.

Confiança na tecnologia
A tecnologia é o motor da transformação digital, mas só é adoptada se existir confiança na sua utilização. António Gameiro Marques, director-geral do Gabinete Nacional de Segurança (GNS) abordou esse tema e afirmou que a confiança é uma «percepção» e que, por isso, «não se compra», mas sim «constrói-se». Para isso é preciso «transparência» e as empresas têm de mostrar como «constroem os produtos», como «são os seus processos» e mostrar «proximidade» com quem usa as tecnologias, para «cimentar essa confiança».

O director-geral salientou que o GNS está a criar um sistema de certificação, parte integrante de uma iniciativa da União Europeia, que vai permitir à população saber antes de comprar um produto ou usar determinado serviço, «quão resiliente é em termos de cibersegurança» – este é um passo no sentido de trazer mais confiança a quem compra online.

Ao nível das organizações, António Gameiro Marques deixou uma mensagem: «Não considerem a segurança da informação como uma despesa, mas sim como um investimento». Além disso, pediu aos profissionais da área para fazerem o CyberCheckUp, disponível no site do Centro Nacional de Cibersegurança, como forma de avaliar a maturidade da cibersegurança de uma organização e de terem uma ajuda para serem mais resilientes.

Por último, António Gameiro Marques admitiu que a pandemia trouxe ainda mais desafios às empresas e sublinhou que é importante não só a tecnologia, mas também a «formação dos colaboradores» e que esta deve ser a aposta das organizações.

Deixe uma resposta