Empreendedorismo

Bitcliq quer promover a sustentabilidade dos oceanos

A startup acredita que «o software e as novas tecnologias podem ter impacto na sustentabilidade e valorização de sectores industriais ditos tradicionais», conforme disse, à businessIT, Pedro Manuel, CEO e fundador da Bitcliq. Foi por isso que o engenheiro e empreendedor e uma equipa de colaboradores, a maioria com vários anos de experiência em projectos de inovação, decidiram desenvolver ferramentas para destacar a importância da pesca tradicional. Pedro Manuel explicou a ideia subjacente à criação da startup: «Estamos a criar uma solução para valorizar o trabalho dos nossos pescadores artesanais e aproximá-los do comprador final, promovendo uma pesca mais responsável e transparente, e valorizando o pescado fresco através da desintermediação do acesso ao recurso e através da informação sobre a origem». A Lota Digital é uma dessas soluções.

Lota Digital em Peniche
O e-marketplace B2B que liga todos os barcos de pesca aderentes aos potenciais compradores registados, possibilita a compra de peixe fresco directamente ao barco, usando uma app mobile ou um portal online, mesmo antes do barco voltar para terra.

Desta forma, é possível fazer uma «compra antecipada e um desembarque mais rápido, pois o pescado vendido é pesado e controlado pela equipa de qualidade da Bitcliq e segue directamente para o comprador ou parceiro de logística, que o embala e transporta até à porta do cliente final», esclareceu Pedro Manuel. Tudo isto é feito com recurso ao blockchain e o CEO destaca de que forma é que a tecnologia é usada: «O blockchain é a forma descentralizada, segura e imutável de guardarmos e partilharmos a informação sobre as capturas e transacções entre todo os stakeholders do nosso mercado digital».



A Lota Digital está, desde o início do ano, em projeto-piloto, em Peniche, numa parceria com a Docapesca, e segundo o fundador da Bitcliq está a correr de acordo com as expectativas.

Smart Fishing
Outra das soluções que a startup oferece com vista à sustentabilidade dos oceanos é a BIG EYE – Smart Fishing, que faz gestão operacional na cloud de frotas de pesca comercial/industrial. A ferramenta permite analisar e agir sobre as operações no mar, com base em dados analíticos obtidos dos barcos e transmitidos por satélite, em tempo-real. Este «foi o primeiro software que a Bitcliq desenvolveu para o sector pesqueiro internacional, e foi aplicado na pesca industrial de atum, tendo no primeiro ano gerido operações de uma frota de grandes navios congeladores com cerca de trinta mil toneladas capturadas anualmente». A solução de smart fishing permite uma pesca «mais eficiente e por isso mais responsável».

Pedro Manuel destacou ainda que a startup oferece produtos diferenciadores e simples de usar: «Aliamos várias competências nos projectos como electrónica, engenharia de software, biologia marinha e uma forte componente de design, com enfoque especial na usabilidade».

Internacionalização
A Bitcliq foi recentemente reconhecida como a startup do sector ‘agro tech’ com maior potencial a nível ibérico no concurso Empreendedor XXI, não é por isso de estranhar que esteja a pensar na internacionalização. «Espanha é um mercado para onde contamos alargar a nossa actividade em breve», disse o fundador da empresa. Mas não é só aí que a startup está a apostar e já tem «uma parceria em curso no Chile e Peru, além de expectativas futuras no mercado europeu». Mas Pedro Manuel salientou que, por enquanto, a atenção está virada para o nosso País: «Para já, estamos focados na execução dos projectos em curso e na consolidação da Lota Digital em Portugal, preparando a sua expansão a nível nacional».

Business-IT