Publicações recentes
Redes sociais:
HomeAlém FronteirasSAP potencia conceito de ‘empresa inteligente’

SAP potencia conceito de ‘empresa inteligente’

O SAP TechEd juntou em Barcelona 4500 programadores e profissionais de TI aos quais apresentou soluções que potenciem o que denominou de ‘empresa inteligente’.

O actual momento que as empresas atravessam não é propriamente fácil. A pressão para serem mais produtivas e assim sobreviveram aos novos desafios é enorme, ao mesmo tempo que os clientes esperam, ou melhor, exigem soluções inovadoras e melhores experiências. Um panorama transversal a todas as indústrias, sectores e áreas de actuação.

Para simplificar todo este “drama”, Björn Goerke, CTO e presidente da SAP Cloud Platform, propôs em Barcelona, no SAP TechEd, que o mundo empresarial abrace o que a software house alemã denomina ‘intelligent enterprise’. Ou seja, uma empresa com a visibilidade necessária (fornecida pelos dados), o foco exigido (capaz de concentra-se em elementos críticos) e a agilidade requerida para responder às necessidades e exigências do negócio impostas pelos clientes.

«A empresa inteligente precisa de ser ágil para reagir às mudanças do mercado e de se concentrar no que realmente importa para o negócio», disse Björn Goerke na sessão de abertura do evento, porque «não se trata apenas de tecnologia, mas do que as empresas podem alcançar com a sua aplicação». E em tudo isso surge uma palavra-chave: ‘integração’. Porque «uma empresa inteligente é uma empresa integrada».

Menos tech, mais negócio

O SAP TechEd é, sobretudo, um evento “técnico”, cuja maioria dos 4500 participantes são programadores e profissionais de TI. Björn Goerke não precisa de ser apresentado a esta comunidade mais especializada, mas pode não ser tão familiar ao lado comercial da casa da SAP. Mas neste evento, ​​Goerke usou a sua keynote para falar, sobretudo, das capacidades que estão a ser desenvolvidas no SAP Cloud Platform como base para a tal intelligent enterprise. Isto foi algo que, de resto, nos corredores se dizia já ter sido explorado pela empresa no seu evento norte-americano, realizado em Las Vegas, e repetido, em grande parte, em Barcelona.

Na sua apresentação, o CTO concentrou os seus esforços em dar “casos de estudo” sobre resultados de negócio, falando sobre integrações com 150 aplicações de terceiros e um compromisso adicional com o open source. Ou seja, a keynote de Björn Goerke não foi exclusivamente dedicada completamente aos programadores presentes, tendo uma dose q.b. de tópicos de negócio, nomeadamente da necessidade de alinhamento das TI com os objectivos empresariais.
Um discurso que, de resto, poderia ter perfeitamente sido proferido no Sapphire, o evento da SAP dedicado a um público mais ligado às áreas de negócio. Entre os analistas e jornalistas comentava-se que a sessão de abertura tinha conseguido ter um bom equilíbrio entre estes dois mundos – o de negócio e o mais técnico.

Aposta em RPA

No evento, o fornecedor de software e serviços anunciou um investimento em RPA – Robotic Process Automation, ou automação de processos robotizados, que ajudará a SAP a automatizar processos repetitivos em todo o seu portfólio. «A aprendizagem de máquina actua como o cérebro que está a gerir excepções e orienta o bot da RPA a executar os processos desejados», disse Juergen Mueller, director de inovação da SAP.

Durante a RPA, o software é usado para capturar as regras que controlam a forma como as pessoas processam transacções, manipulam dados e enviam esses dados para e de sistemas de computadores, na tentativa de criar uma plataforma automatizada que possa desempenhar essas funções.

A RPA é projectada para remover tarefas repetitivas de tarefas administrativas, como entrada de dados, contabilidade, recursos humanos e gestão da cadeia de suprimentos. Essas funções regularmente exigem tarefas previsíveis que estão prontas para a automação, como recolher dados e desviá-los entre sistemas diferentes.

O compromisso da SAP em investir em RPA foi realizado a par de uma série de anúncios feitos na conferência relacionados à aprendizagem de máquina.

A SAP anunciou o lançamento de um programa de inovação para parceiros para desenvolver e implementar novas aplicações para SAP S/4HANA Cloud.

Leonardo reforçado

A SAP também revelou que está a adicionar novos serviços à sua plataforma de machine learning SAP Leonardo para facilitar a criação de bots de conversação corporativo e permitir que as empresas os implementem «em dias».

Mueller disse que o novo serviço SAP Conversational AI, disponível desde final de Outubro, «vai um passo além dos bots já anunciados». «A expansão permite que os clientes automatizem o seu suporte ao cliente com robô de chat. Essas actualizações, juntamente com novos recursos de análise inteligente, são o próximo grande marco para levar inteligência aos nossos clientes», mencionou.

Mais e melhor cloud

A SAP também revelou que planeia adicionar recursos inteligentes de design à plataforma SAP Analytics Cloud. O novo serviço estará disponível a partir do quarto trimestre de 2018 e ajudará os desenvolvedores e designers a criar aplicações analíticas através de «scripts avançados, padronização de conteúdo analítico e extensões analíticas através de kits de desenvolvimento de software e interfaces de programação de aplicações».

A SAP também adicionou novos materiais de parceiros na biblioteca de conteúdo de negócios, incluindo histórias predefinidas, painéis, agendas no SAP Digital Boardroom e modelos de dados projectados para SAPS / 4HANA – para ajudar as empresas a estabelecer rapidamente cenários de análise.

Como parte do objetivo de oferecer uma plataforma one-stop para as necessidades de aprendizagem de máquina dos negócios, a SAP disse que continua a investir em capacidades de machine learning (ML) para que os cientistas de dados treinem os seus próprios modelos personalizados de ML e em serviços recém-lançados. Aliás, a SAP quer lançar uma variedade de novos serviços ML antes do final do ano, que incluirá opções de conversão de texto em voz e de voz em texto da Google.

Como parte da parceria da SAP com a Google, a plataforma de machine learning da SAP será lançada no Google Cloud Platform (GCP) durante Novembro de 2018. Isso permitirá que os clientes usem o GCP e a SAP Cloud Platform para criar aplicativos inteligentes.

No final, a SAP pretende expandir seu portfólio de ML para incluir RPA, aprendizagem de máquina e inteligência artificial conversacional em uma «pilha de automação única de ponta a ponta». Com isso em mente, a SAP afirma que, a partir do início de 2019, oferecerá uma «infra-estrutura robótica» para o SAP S/4HANA projetada para automatizar fluxos de trabalho, que também é capaz de lidar com excepções.

Por

[email protected]

Jornalista especializada em TIC desde 2000, é fã incondicional de todo o tipo de super-heróis e da saga Star Wars. É apaixonada pelo impacto que as tecnologias têm nas empresas.