Empreendedorismo

Uma nova forma de ver a informação na indústria

A Glartek está a desenvolver uma plataforma de manutenção industrial, baseada em realidade aumentada, que possibilita que o operador aceda e visualize a informação de diversos tipos de equipamentos com recurso a um smartphone ou tablet.

Luís Murcho, um dos fundadores e CEO da startup, refere que a ideia para a solução surgiu em 2016 quando trabalhava numa empresa de engenharia especializada em frio industrial. Em conjunto com Gonçalo Santos, outro dos fundadores e actual CTO, perceberam que existia falta de informação e pouca ou nenhuma comunicação entre os operadores de manutenção e os sistemas de monitorização.

Quanto ao uso da realidade aumentada, tal aconteceu «um pouco por acaso» explica Luís à businessIT. «Estávamos a desenvolver um sistema de monitorização quando vimos um ensaio de realidade aumentada e começamos a brincar com isso». O “bichinho” ficou e decidiram aplicar a tecnologia à área onde trabalhavam e assim nasceu a Glartek.

A solução da startup portuguesa permite que, num contexto industrial, seja possível identificar uma máquina que tenha enviado um alarme e que posteriormente o técnico tenha acesso, quer à informação em tempo real, quer desenhos técnicos, relatórios, manuais de instruções e diagramas. Há, assim, uma camada de informação de IoT com origem nos equipamentos e outra que é adicionada pela realidade aumentada.

O objectivo da Glartek é aumentar a eficiência e a segurança, reduzir os custos e o tempo de inactividade de manutenção das máquinas e minimizar o erro humano. Entre as características diferenciadoras, Luís Murcho sublinha que as grandes mais-valias da tecnologia são que usa os dados dos próprios equipamentos sem necessidade de novos marcadores ou sensores, o facto de ser apenas necessário fazer um scan inicial para a sua implementação e de poder ser adaptada às necessidades do utilizador.
Quanto aos desafios, Luis Murcho refere que os maiores que encontraram até ao momento foram a «adaptação à tecnologia, a integração com os sistemas existentes e a entrada nas grandes empresas».

Portugal é muito bom para testes mas a ambição é a internacionalização

A ideia da Glartek é levar a solução a outros mercados dado que «Portugal é «ideal para testes» mas demasiado pequeno para conseguirem escalar a tecnologia. «O objectivo é realmente expandir e para isso necessitamos de ter uma plataforma mais sólida e testada cá». Até ao final de 2018, Luís Murcho e Gonçalo Santos ambicionam «finalizar os pilotos que estão a desenvolver, tornar a plataforma mais sólida e expandir para alguns mercados na Europa». Para tal, o plano é participarem numa ronda de investimento e assim terem fundos para iniciarem o processo de internacionalização.

Mafalda Freire
Fã de tecnologia, gosta especialmente de tudo o que esteja relacionado com automóveis e mobile. Além disso é apaixonada pelo Star Wars.