NacionalNotícias

Cientistas de dados vão ser fundamentais para as empresas nacionais

A Universidade Portucalense (UPT) criou um mestrado em ciência de dados dando continuidade à sua visão de que os profissionais desta área vão permitir que as empresas portuguesas sejam mais competitivas.

Os dados são o novo petróleo e estão em crescimento com previsões de chegada a 163 Zettabytes, de acordo com o estudo Global Datasphere in 2025 da IDC. Os dados vão ser, assim, fundamentais para o sucesso das empresas e os cientistas de dados para permitir extrair informação que possa ser utilizada para melhorar o desempenho das organizações.

A UPT acredita que os profissionais dos dados são «a ferramenta certa para acções analíticas, abordagens personalizadas, detecção de padrões e tendências relevantes, automatização de criação de conhecimento» e assim «melhorar a estratégia de negócio e aumentar a competitividade» e por isso decidiu criar um mestrado em ciência de dados.

A UPT diz que o maior impacto deverá acontecer nas organizações e no Estado traduzindo-se no aumento de lucros e redução de custos mas também na área da saúde com a previsão de riscos de doenças; nos carros autónomos com diminuição de acidentes, entre outros sectores. Os cientistas de dados podem ocupar cargos em empresas de diversos sectores de actividade, entre eles na saúde, administração pública, marketing, finanças, utilities e telecomunicações.



Ana Rebelo, coordenadora do novo mestrado, explica que os cientistas de dados têm «conhecimentos em inteligência artificial e big data e desenvolvem competências transversais, altamente valorizadas pelo mercado, com impacto no aumento do lucro das empresas e em várias áreas da sociedade».

Profissão em ascensão
O mestrado tem como objectivo formar especialistas em análise, interpretação e desenvolvimento de software baseado em modelos matemáticos e estatísticos, assim como técnicas de deep e machine learning. Com conhecimentos multidisciplinares, os cientistas de dados que saírem do mestrado deverão conseguir extrair informação de dados estruturados e não estruturado auxiliando as empresas na tomada de decisão. Estes profissionais vão saber responder às necessidades do negócio e terão «um perfil simultaneamente de engenheiros e cientistas com competências de inovação».

A responsável salienta os cientistas de dados estão em primeiro lugar como uma das melhores profissões de 2019 no maior website de emprego e recrutamento dos EUA, o Glassdoor. Além disso, são procurados pelas maiores empresas mundiais como a Netflix, Google, Facebook, Amazon e o LinkedIn. Já a Landing.Jobs, empresa portuguesa de recrutamento online, reforça que os cientistas de dados são cada vez mais procurados, quer em Portugal quer na Europa, e que os ordenados destes profissionais podem ir desde 24 k (juniores) a 46 k (seniores) ao ano no mercado nacional.

Business-IT